Mônica

Just another WordPress.com weblog

A força do pensamento! janeiro 29, 2010

A força do pensamento

Imagine que tudo aquilo que existe no mundo concreto já foi antes idealizado, pensado por alguém.

Quer ver?

Observe os objetos ao seu redor. Os quadros, móveis…

A cadeira por exemplo. Antes de existir, essa cadeira foi pensada por alguém. O marceneiro pensou: “vou construir uma cadeira assim, feita de pinho ou de imbuia, depois vou envernizar…” aí fez a cadeira.

Veja a comida de ontem no jantar… A pessoa que a cozinhou pensou antes: “hoje vou fazer arroz, feijão, uma saladinha e um bife…ou um picadinho”.

Então tudo foi pensamento, tudo foi idéia antes de existir.

Como é que você faz quando vai tirar férias? Diz mais ou menos assim: “bem, vou sair em janeiro, porque as crianças também estão de férias e a gente aproveita pra passar o verão na praia”. Ou então: “vou aproveitar as férias para ir visitar o meu povo lá no interior, na fazenda”.

Então chega o dia das férias e você faz aquilo que planejou, aquilo em que pensou antes.

Aquelas férias só existem na realidade concreta porque existiram antes dentro da sua cabeça.

Primeiro, elas têm que ser idéia, pensamento, para depois se tornar realidade.

Quando você não planeja suas férias, elas não acontecem e você diz assim: “mas que coisa! Minhas férias acabaram e eu não fiz nada”.

Não fez porque não planejou, porque não pensou antes, não criou antes dentro da sua cabeça.

Tudo o que existe no mundo é assim.

Tem de ser pensado antes, tem de ser concebido, criado primeiro dentro da mente.

Nesse processo de criar, de planejar o futuro, você usa a todo vapor a sua inteligência, a sua capacidade de visualizar, a força do pensamento!

Eis a chave que permite decifrar o grande segredo do universo: aprender a usar as habilidades da mente para superar os problemas do dia-a-dia, sempre procurando novas formas de tornar a vida mais agradável.

O cérebro é como um tear encantado, no qual podemos tecer nosso futuro da forma que quisermos.

É preciso iniciar essa construção, é preciso se empenhar nesse processo criativo, estabelecer essa conexão energética com a fonte da vida universal e encher o seu mundo de beleza e harmonia e realizações.

Tudo na vida depende de você. Se encarar as coisas com dificuldade, certamente elas se tornarão mais difíceis de serem vencidas. Deixe que a força interior que existe dentro de você se sobressaia, se imponha. Essa força fará de você uma pessoa mais ativa, mais combatente, mais lutadora. E o que é a vida senão uma eterna luta?

Se você é daquelas pessoas que diante do primeiro obstáculo retrocedem, sinto dizer, mas está agindo erradamente. Se você realmente quer alguma coisa, lute, tente quantas vezes forem necessárias. Se não deu certo a primeira vez, tente outra. Não deu certo a segunda vez? Mude de tática! Persistir é a palavra-chave da conquista!

Existe uma força que comanda nossa vida, mas uma lei superior dará a palavra final. tenha sempre em mente que quanto mais leal e honesta for consigo mesma, mais facilmente você vencerá a batalha da existência. Tudo o que acontece na vida não é por acaso. É preciso coragem e força para encarar a missão que te espera.

“Nunca desanime quando os seus esforços forem em vão pois até o sol, ao nascer, dá um belo espetáculo mas, quase sempre, encontra a platéia dormindo!”
Mônica

 

AMADURECIMENTO janeiro 8, 2010

 

Aprenda a gostar de você, a cuidar de você e, principalmente, a gostar de quem também gosta de você. A idade vai chegando e, com o passar do tempo, nossas prioridades na vida vão mudando – a vida profissional, a monografia de final de curso, as contas a pagar. Mas uma coisa parece estar sempre presente. A busca pela felicidade com o amor da sua vida. Desde pequenas ficamos nos perguntando “quando será que vai chegar? E a cada nova paquera, vez ou outra nos pegamos na dúvida “será que é ele (a)”? Como diz o meu pai: “nessa idade tudo é definitivo”, pelo menos a gente achava que era. Cada namorado era o novo homem da sua vida. Faziam planos, escolhiam o nome dos filhos, o lugar da lua de mel e, de repente PLAFT! Como num passe de mágica ele desaparecia, fazendo criar mais expectativas a respeito “do próximo”.

Você percebe que cair na guerra quando se termina um namoro é muito natural, mas que já não dura mais de três meses. Agora, você procura melhor e começa a ser mais seletiva. Procura um cara formado, trabalhador, bem resolvido, inteligente, com aquele papo que a deixa sentada no bar o resto da noite. Você procura por alguém que cuide de você quando está doente, que não reclame em trocar aquele churrasco dos amigos pelo aniversário da sua avó, que jogue “imagem e ação” e se divirta como uma criança, que sorria de felicidade quando te olha, mesmo quando está de short camiseta e chinelo.

A liberdade, ficar sem compromisso, sair sem dar satisfação já não tem o mesmo valor que tinha antes. A gente inventa um monte de desculpas esfarrapadas, mas continuamos com a procura incessante por uma pessoa legal, que nos complete e vice-versa. Enquanto tivermos maquiagem e perfume, vamos a luta e haja dinheiro para manter a presença em todos os eventos da cidade: churrasco, festinhas, boates na quinta-feira. Sem falar na diversidade que vai do Forró ao Beatles.

Mas o melhor dessa parte é se divertir com as amigas, rir até doer a barriga, fazer aqueles passinhos bregas de antigamente e curtir o som. Olhar para o teto, cantar bem alto aquela música que você adora.

Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com uma outra pessoa, você precisa, em primeiro lugar, não precisar dela. Percebe também que aquele cara que você gosta (ou acha que gosta), e que não quer nada com você, definitivamente não é o homem da sua vida. Você aprende a gostar de você, a cuidar de você e, principalmente, a gostar de quem também gosta de você. O segredo é não correr atrás das borboletas e sim cuidar do jardim para que elas venham até você. No final das contas, você vai achar não quem você estava procurando, mas quem estava procurando por você!!!!

Mario Quintana