Mônica

Just another WordPress.com weblog

Fizeram a gente acreditar … (John Lennon) outubro 17, 2010

Filed under: Reflexões — Mônica Guidoni @ 9:25 pm
Tags: , , , ,

Fizeram a gente acreditar que amor mesmo, amor pra valer, só acontece uma vez, geralmente antes dos 30 anos. Não contaram pra nós que amor não é acionado, nem chega com hora marcada. Fizeram a gente acreditar que cada um de nós é a metade de uma laranja, e que a vida só ganha sentido quando encontramos a outra metade. Não contaram que já nascemos inteiros, que ninguém em nossa vida merece carregar nas costas a responsabilidade de completar o que nos falta: a gente cresce através da gente mesmo. Se estivermos em boa companhia, é só mais agradável. Fizeram a gente acreditar numa fórmula chamada “dois em um”: duas pessoas pensando igual, agindo igual, que era isso que funcionava. Não nos contaram que isso tem nome: anulação. Que só sendo indivíduos com personalidade própria é que poderemos ter uma relação saudável. Fizeram a gente acreditar que casamento é obrigatório e que desejos fora de hora devem ser reprimidos. Fizeram a gente acreditar que os bonitos e magros são mais amados, que os que transam pouco são confiáveis, e que sempre haverá um chinelo velho para um pé torto. Só não disseram que existe muito mais cabeça torta do que pé torto. Fizeram a gente acreditar que só há uma fórmula de ser feliz, a mesma para todos, e os que escapam dela estão condenados à marginalidade. Não nos contaram que estas fórmulas dão errado, frustram as pessoas, são alienantes, e que podemos tentar outras alternativas. Ah, também não contaram que ninguém vai contar isso tudo pra gente. Cada um vai ter que descobrir sozinho. E aí, quando você estiver muito apaixonado por você mesmo, vai poder ser muito feliz e se apaixonar por alguém.

John Lennon

Anúncios
 

Do erro ao desafio da excelência! outubro 4, 2010

Filed under: Sucesso — Mônica Guidoni @ 12:11 pm
Tags: , , , ,

Acredito que todas as pessoas deveriam ser movidas por desafios. A cada obstáculo que temos, se desistirmos só porque é difícil, qual seria a graça? Ninguém sabe tudo de tudo. Cada um sabe um pouco de cada coisa. E juntos, com humildade e boa vontade, podemos fazer a diferença no mundo. A começar pelas pequenas coisas, como aceitar que as pessoas são diferentes e ninguém pensa da mesma maneira. Hoje eu errei. Amanhã outros errarão.

Mas a diferença do erro de hoje com o erro do futuro não é cometer mais o mesmo erro. Precisamos errar por tentar ousar e fazer diferente, mas não errar pela omissão. E isso para muitos pode parecer uma tarefa fácil, mas nem sempre é. Assumir um erro já é um passo para transformá-lo em acerto, mas é preciso ter humildade e disciplina. E isso é uma mudança que não acontece simplesmente do dia para a noite. Tem que ter perseverança. É um desafio querer mudar.

É por isso que gosto de desafios. Eles nos fazem parar para pensar: porque erramos tanto? Será que é apenas por não conhecer? Será que é a falta de saber? Erramos porque queremos ser pessoas melhores. Mais digna, gente fina, elegante e sincera. Precisamos errar porque somos seres humanos. Não somos perfeitos. Aliás, nem deveríamos buscar essa tão sonhada perfeição.

E tudo isso é tão contraditório que, por mais que erramos, sempre queremos fazer a coisa certa. Ninguém acorda de manhã querendo errar o dia inteiro. O erro acontece para nos ensinar o caminho certo. É errando que se aprende, como diz o ditado. Não tem como fugir. Para sair do erro é preciso ter calma e não ficar nervoso. Respire fundo e conte até dez. Tenha atenção e faça escolhas. As escolhas são o fio da navalha que lhe guia para o erro ou acerto.

Todos dias, quando abrimos os olhos e damos de cara com o desafio de viver temos a possibilidade de escrevemos em uma página em branco. Uma folha livre que pode ser escrita de várias cores e com as mais diversas palavras. Temos que saber escolher as palavras. Errar menos. Ouvir mais. Buscar a excelência. Fazer tudo com amor. Porque somente o amor é capaz de transformar.

“O segredo da felicidade no trabalho reside em uma palavra: excelência. Faz bem aquele que gosta do que faz.” Sabedoria Popular