Mônica

Just another WordPress.com weblog

Eu quero alguém de verdade! outubro 9, 2012

Filed under: Sentimentos — Mônica Guidoni @ 8:13 pm
Tags: , , , , , , , ,

“Eu quero alguém de verdade.

Alguém que não tenha medo de amar; que não preze a liberdade; que troque o mundo lá fora por mim. Eu quero ter alguém em quem pensar durante a semana, alguém pra passar as noites dos sábados e os domingos inteiros.
Eu quero alguém que me ame sem medo de falar, sem vergonha de demonstrar. Eu quero alguém que me inclua no seu futuro, que pense em casamento na igreja, e que entenda o meu medo do futuro. Eu quero alguém que me respeite e, nunca tente mudar o meu jeito. Que me aceite como eu sou. Eu quero alguém que me faça rir quando a TPM atacar. Alguém que ria do meu jeito desastrado. Alguém que saiba pedir desculpas quando estiver errado. Alguém que saiba perdoar quando eu estiver errada. Alguém que nunca pense em ir embora e, nem me dê motivos pra isso. Alguém que desarme os meus bloqueios, que me ajude a passar por cima da minha insegurança, que acabe com as minhas paranoias. Eu quero beijo na testa, andar de mãos dadas, aliança no dedo (jamais no bolso). Eu quero ligações inesperadas, mensagens de boa noite, encontros durante a semana. Eu quero flores, dormir de conchinha, ouvir e dizer ‘eu te amo’ baixinho no ouvido. Eu quero proteção, carinho, mimos. Eu quero amor, respeito, fidelidade. Eu quero que seja verdadeiro e reciproco. Não precisa ser lindo, rico e forte. Precisa ser meu …..

 

Valorize o que você tem e as pessoas que estão ao seu lado. junho 16, 2011

 

Nós bebemos demais, fumamos demais, gastamos sem critérios, dirigimos rápido demais, ficamos acordados até muito mais tarde, acordamos muito cansados, lemos muito pouco, assistimos TV demais e rezamos apenas qndo a situacao foge do nosso alcance. Ostentamos as riquezas mas nao sustentamos o sorriso.

Multiplicamos nossos bens, mas reduzimos nossos valores. Encolhemos nosso ser.

Queremos apenas falar, ouvir nem pensar. Amamos raramente, odiamos freqüentemente.

Aprendemos a sobreviver, mas não a viver; adicionamos anos à nossa vida e não vida aos nossos anos. Fomos e voltamos à Lua, mas temos dificuldade em cruzar a rua e encontrar um novo vizinho; de pedir perdao.

Esticamos as maos para pegar, mas atrofiamos-as para dar.

Conquistamos o espaço, mas não o nosso próprio.

Fizemos muitas coisas maiores, mas pouquíssimas melhores. Limpamos a barra, mas poluímos a alma; dominamos o átomo, mas não nosso preconceito; escrevemos mais, mas aprendemos menos; planejamos mais, mas realizamos menos.

Aprendemos a nos apressar e não, a esperar. A ter e nao, a ser. Aos poucos fomos conquistando os idiomas, mas nao o dialogo.
Aprendemos cravar na cruz, mas nao a carrega-la.

Sem estar preparados, queremos ouvir a verdade dos outros, mas damos nossas melhores mentiras.

Dominamos as artes, mas nao a arte do pensar. Escravizamos os animais, mas nos tornamos algozes dos nossos problemas.

Ambiciamos, invejamos o sucesso alheio, mas nao queremos sequer saber o caminho que foi trilhado (e como). Apenas queremos! Queremos a fama mesmo sendo anônimos de nos mesmos.

Construímos mais computadores para armazenar mais informação, produzir mais cópias do que nunca, mas nos comunicamos menos. Estamos na era do ‘fast-food’ e da digestão lenta; do homem grande de caráter pequeno; lucros acentuados e relações vazias.

Essa é a era de dois empregos, vários divórcios, casas chiques e lares despedaçados. Essa é a era das viagens rápidas, fraldas e moral descartáveis, das rapidinhas, dos cérebros ocos e das pílulas “mágicas”. Um momento de muita coisa na vitrine e muito pouco na despensa.

Marchamos rumo a futilidade e acomodamos na politica que nos reges. Cobramos o gol e fadigamos por melhorias na educacao.

Lembre-se de passar tempo com as pessoas que ama, pois elas não estarão por aqui para sempre. Lembre-se dar um abraço carinhoso num amigo, pois não lhe custa um centavo sequer. Lembre-se de dizer “eu te amo” à sua companheira(o) e às pessoas que ama, mas, em primeiro lugar, ame… Ame muito.

Um beijo e um abraço curam a dor, quando vêm de lá de dentro. O segredo da vida não é ter tudo que você quer, mas AMAR tudo que você tem!

Por isso, valorize o que você tem e as pessoas que estão ao seu lado.

 

Quem disse que ser adulto é fácil ???? agosto 29, 2009

adulto6

 

Sempre acho que namoro, casamento, romance tem começo, meio e fim. Como tudo na vida. Detesto quando escuto aquela conversa: – ‘Ah,terminei o namoro…’ – ‘Nossa,quanto tempo?’ – ‘Cinco anos…Mas não deu certo…acabou’ – E não deu…? Claro que deu! Deu certo durante cinco anos, só que acabou. E o bom da vida, é que você pode ter vários amores. Não acredito em pessoas que se complementam. Acredito em pessoas que se somam. Às vezes você não consegue nem dar cem por cento de você para você mesmo, como cobrar cem por cento do outro? E não temos esta coisa completa. Às vezes ele é fiel, mas não é bom de cama. Às vezes ele é carinhoso, mas não é fiel. Às vezes ele é atencioso, mas não é trabalhador. Às vezes ela é malhada, mas não é sensível. Tudo nós não temos. Perceba qual o aspecto que é mais importante e invista nele. Pele é um bicho traiçoeiro: quando você tem pele com alguém, pode ser o papai com mamãe mais básico que é uma delícia. E as vezes você tem aquele sexo acrobata, mas que não te impressiona… Acho que o beijo é importante… e se o beijo bate…se joga…senão bate…mais um Martini, por favor…e vá dar uma volta. Se ele ou ela não te quer mais, não force a barra. O outro tem o direito de não te querer. Não lute, não ligue, não dê pití. Se a pessoa tá com dúvida, problema dela, cabe a você esperar ou não. Existe gente que precisa da ausência para querer a presença. O ser humano não é absoluto. Ele titubeia, tem dúvidas e medos mas se a pessoa REALMENTE gostar, ela volta. Nada de drama. Que graça tem alguém do seu lado sob chantagem, gravidez, dinheiro, recessão de família? O legal é alguém que está com você por você. E vice versa. Não fique com alguém por dó também. Ou por medo da solidão. Nascemos sós. Morremos sós. Nosso pensamento é nosso, não é compartilhado. E quando você acorda, a primeira impressão é sempre sua, seu olhar, seu pensamento. Tem gente que pula de um romance para o outro. Que medo é este de se ver só, na sua própria companhia? Gostar dói. Você muitas vezes vai ter raiva, ciúmes, ódio, frustração. Faz parte. Você namora um outro ser, um outro mundo e um outro universo. E nem sempre as coisas saem como você quer… A pior coisa é gente que tem medo de se envolver. Se alguém vier com este papo, corra, afinal, você não é terapeuta. Se não quer se envolver, namore uma planta. É mais previsível. Na vida e no amor, não temos garantias. E nem todo sexo bom é para namorar. Nem toda pessoa que te convida para sair é para casar. Nem todo beijo é para romancear. Nem todo sexo bom é para descartar. Ou se apaixonar. Ou se culpar.

Enfim…quem disse que ser adulto é fácil?

(ARNALDO JABOR)